sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Lembranças do meu pai

Eu jurei que não iria falar de ti aqui, pois meu blog é reservado só para momentos alegres, mas pensando comigo nos momentos de extrema saudades que ando tendo de ti cheguei a conclusão de por que seria triste falar de você? Afinal, eu só tenho boas lembranças e até nossas brigas me fazem dar risada... Sei que não vai ler mas estou precisando falar de você...
Há 25 anos atrás uma pessoa me pegou no colo e falou que eu era o bebê mais lindo que já havia visto e nos 24 anos seguintes em que esteve comigo, continuava afirmando que eu era seu bebê bonito... Apesar de muito ocupado me ensinou a andar, ria quando eu aprendendo a falar chamava soda de foda... me explicou com toda calma o porque nunca íamos ser da mesma cor e que cu só é palavrão quando tem acento, quando estava estudando a cartilha me negava a ler as sílabas da letra "C"... porque uma menina não deve falar palavrão...quando eu ficava triste me levava comer provolone a milanesa e banana split, falava que era nossa noite do colesterol e que não existia coisa melhor para esquecer os problemas... quando te ligava porque estava com alguma dor me mandava comer macarrão, pois achava que ele era milagroso e acabava com todas as dores imagináveis... das vinganças que planejava quando alguém me magoava rs... todas acabavam com: "Vamos fazer um vodu"... da cara de pai orgulhoso que fazia quando me dava os parabéns por eu ter comido tudo que tinha no prato mesmo eu tendo vinte e poucos anos... Mesmo sendo a pessoa mais cética que conheci, quando me via chorar sempre olhava pra mim e falava que ia dar tudo certo porque eu merecia que desse tudo certo apesar de ser teimosa... sempre me fazia passar vergonha no cinema pois caia no sono e roncava, mas mesmo assim insistia pra ele me levar... lembro de uma lágrima escorrendo no rosto quando recebeu a minha carta de dia dos pais dizendo que para mim ele era um super herói, pois era o único homem que conhecia capaz de levantar a traseira de uma kombi sozinho... do jeito que me traumatizou em relação a macarrão com molho de linguiça (sim, odeio e a culpa é dele) ... da cara e sorriso de criança quando comeu bolo escondido enquanto eu e praconi vigiávamos para ninguém brigar com ele... como sorria quando eu falava dos meus planos de casar na igreja e como brigava comigo quando pra irritar falava que ia dar o nome dele pro meu filho (sim, ele odiava o próprio nome, mas eu acho lindo) ... sua mania irritante de roubar meu refrigerante... nunca vou beber uma batida de coco ou amendoim tão gostosas quanto a dele ou comer um picadinho tão bom... do jeito que dava risada e me chamava de cínica quando eu falava que gastava meu dinheiro para o país não quebrar... da cara de orgulho quando viu a apresentação do meu TCC e constatou que realmente era boa naquilo... o jeito infantil com o qual me ignorava quando eu fazia algo que julgava errado, ou quando chegava com um presente quando ele fazia algo de errado...
São essas algumas da lembranças que tenho do meu pai e elas são maravilhosas e ternas... histórias as quais eu não entendo o porque eu não quis escrever antes, pois são maravilhosas apesar de as vezes quando lembro delas algumas lágrimas escaparem elas sempre vem acompanhadas de um sorriso no final...

3 comentários:

Ana Praconi disse...

Ohhhh.... fico feliz que você entenda que lembrar do seu pai deve te fazer feliz, pois sim, vocês tiveram momentos que foram só de vocês e isso ninguém vai te tirar.
E seu pai foi um danado comendo o bolo. Falei!

Beijos!!

Mill disse...

olha, me emocinei

belas lembranças

Daniela disse...

Desde que li o seu blog, queria fazer um comentário especial sobre este post. Amei!
Amei a forma como vc expôs tudo isso... todos esses sentimentos e alguma dor, não podemos mentir. Mas é excelente que vc tenha força para falar dele e mostrar ao mundo que ele vive dentro de ti de maneira linda e fiel. Nunca acabará.
orgulho imenso de vc, Aninha!
Um beijo enoooorme!!!